Qual a importância dos testes periódicos nas bombas do sistema de combate a incêndio?

Montagem Industrial com Segurança, Qualidade e Pontualidade
6 de maio de 2020
Montagem, desmontagem e mudança de layout industrial
10 de junho de 2020

O QUE VOCÊ PRECISA SABER AO TESTAR A BOMBA DO SISTEMA DE COMBATE A INCÊNDIO:

A manutenção preventiva em sistemas de incêndio é imprescindível para o devido funcionamento do sistema de proteção contra incêndio. Não só a manutenção preventiva ajuda a preservar a durabilidade dos equipamentos instalados – reduzindo-se os gastos com manutenções corretivas e trocas de equipamentos – como também evita a paralisação do funcionamento do sistema de proteção contra incêndio, cenário mais grave possível considerando-se o potencial de perdas decorrente de um incêndio de grandes proporções.

As bombas do sistema de combate a incêndio são necessárias em muitas instalações afim de fornecer a pressão necessária para a rede de sprinklers e de hidrante. O seu bom funcionamento impacta diretamente na confiabilidade do sistema de proteção.

Os testes periódicos das bombas de incêndio ajudam a verificar se as bombas darão a partida automaticamente e se vão operar sem falhas quando necessário. Recomenda-se que a periodicidade dos testes para as bombas de incêndio como motor movido a diesel seja semanal, enquanto que é a frequência dos testes para aquelas movida por um motor elétrico seja mensal. Vale ressaltar que os testes periódicos não substituem o teste de vazão, que deve ser realizado em todas as bombas de incêndio para verificar se estão operando conforme as especificações do fabricante.

CARACTERÍSTICAS GERAIS DO TESTE

O teste periódico de incêndio pode ser realizado fazendo o sistema funcional em uma situação de vazão (churn) com todas as válvulas abertas. Neste caso, de acordo com a NFPA (National Fire Protection Associativo), as válvulas de alívio de circulação são usadas para impedir o superaquecimento da bomba quando está operando sem que haja descarga de água através do sistema. A válvula de alívio de circulação atua descarregando uma pequena quantidade de água do corpo da bomba para impedir o aumento da temperatura. A NFPA 20 foi revisada para determinar que a válvula de alívio de circulação seja instalada no lado de descarga da bomba, antes da válvula de retenção na descarga.

Uma equipe qualificada deve monitorar a bomba enquanto ela estiver funcionando. Cada bomba deve funcionar pelo intervalo de tempo adequado a ser observada para identificação de eventuais problemas.  É necessário um checklist para as bombas movidas por motor elétrico e outro para aquelas movida por um motor a diesel, que deve ser usado para registrar dados vitais, identificar anormalidades na sua operação e as anomalias que precisam ser imediatamente corrigidas ou anotados para correção futura. Se durante o teste houver qualquer mau funcionamento de grande relevância como fumaça, vibração e barulho excessivos, o teste deve ser interrompido imediatamente e o equipamento reparado assim que possível.

PROCEDIMENTO DO TESTE

Realizar testes periódicos na bomba de incêndio é uma ação de manutenção preventiva de equipamento e engloba os seguintes procedimentos:

  • Notificar a empresa ou a equipe que gerencia a central de alarme que a bomba de incêndio será testada;
  • Dar partida na bomba com uma queda de pressão do sistema. Para fazer isso, deve ser abrir o registro de descarga localizado próximo do controle com a bomba Jockey desativada e registrar a pressão de sua partida;
  • Verificar se existe um visível vazamento de água na caixa de gaxetas. O não gotejamento pode resultar em aquecimento e o desgaste exagerados. O sistema deve ser ajustado para que tenha um pequeno vazamento;
  • Verificar se há vibração excessiva, ruídos fora do comum ou outros sinais de mau funcionamento e fazer as correções conforme necessário;
  • Interromper o teste no caso de falhas destrutivas e providenciar o reparo assim que possível para poder prosseguir com o teste;
  • Registrar a pressão dos sistemas de sucção, de descarga e outros dados do sistema;
  • Verificar se a bomba funciona pelo período de tempo adequado: mínimo de 10 minutos para bomba com motor elétrico e 30 minutos para bomba com motor movido a diesel. Verificar periodicamente se a bomba e o motor não estão superaquecendo durante o teste;
  • Desligar a bomba manualmente;
  • Religar a bomba Jockey e restaurar o controle da bomba de incêndio para a posição de partida automática;
  • Notificar a empresa ou equipe que gerencia o alarme de incêndio que o teste foi concluído e que o sistema de alarme deve ser reativado.
INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS

Uma vez que os dados do teste foram registrados, deve-se comparar os mesmo com aquele feito anteriormente para determinar se a bomba está operando satisfatoriamente. Diferenças significativas na operação precisam ser analisados para constatar possíveis causas. Caso necessário, ações corretivas devem ser aplicadas assim que possível e a bomba deve ser testada novamente.

MANUTENÇÃO

Os componentes da bomba de incêndio devem passar por uma manutenção preventiva.  Justamente, por se tratar de um dispositivo mecânico, o equipamento requer inspeção, troca, limpeza e teste de fluido entre outros.

Ao realizar uma manutenção preventiva na bomba de incêndio, deve-se observar os seguintes sistemas:

  • Bomba;
  • Componente de transmissão;
  • Mecânica,
  • Elétrica;
  • Motor a diesel;
  • Exaustão;
  • Lubrificação;
  • Resfriamento.

 

Quer saber mais sobre sistemas de combate a incêndio, entre em contato agora mesmo. Nossa equipe de engenharia, está sempre pronta para orienta-lo e buscar em conjunto a melhor solução para sua empresa.

Ligue para (12) 3629-6791 ou se preferir envie um e-mail para: comercial2@ecotecmontagensindustriais.com.br

Open chat